Login to your account

Username *
Password *
Remember Me
Domingo, 19 Janeiro 2020
Muito Nublado

22°C

Condeúba

Muito Nublado

Umidade: 65%

Vento: 11 km/h

 

Mais de vinte pacientes de um mutirão de catarata realizado no Hospital de Clínicas do Alvarenga, em São Bernardo do Campo, foram contaminados por uma bactéria. São pacientes idosos, que agora dependem de medicamentos caros e de acompanhamento especial.

O aposentado Expedito Batista é uma das vítimas. Ele decidiu fazer a cirurgia buscando maior qualidade de vida e continuar realizando uma de suas paixões, viajar de carro, como condutor. “Eu tinha 70% da minha visão. Entrei bem pra operar, pra melhorar. E perdi totalmente a visão do lado direito”, conta.

E a perda é definitiva, disseram os médicos que já operaram o aposentado mais duas vezes para combater a infecção por uma bactéria. A mesma que atingiu muitos outros pacientes que participaram do mutirão, no fim de janeiro. Segundo informações recolhidas pelas famílias, pelo menos quinze perderam a visão e dez, o próprio globo ocular. Os parentes se organizam para processar o hospital.

Letícia Meikoga, filha de uma das vítimas, afirma que o grupo pretende entrar com uma ação pedindo indenização por danos morais, materiais e suporta para as famílias, além de medicamentos.

Marialda Alves Sampaio, também filha de vítima, representa uma das famílias que precisarão de ajuda a partir de agora. Ela conta que o pai dela, de 80 anos, era quem cuidava da mulher, também idosa. Mas agora, sem um dos olhos, a família terá de encontrar outra solução. “Nós trabalhamos, não podemos ficar lá o tempo todo. Eles vão precisar de um acompanhante. E quem vai ter que bancar esse acompanhante?”, questiona.

A Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo confirma que de 27 pacientes operados no dia 30 de janeiro, 21 foram contaminados. A origem da contaminação ainda está sendo investigada. E o contrato com a clínica particular, que atende no hospital de forma terceirizada, foi temporariamente suspenso.

A secretária da Saúde, Odete Gialdi, afirma que o contrato com a clínica foi firmado em 2014. “No ano de 2015, essas mesma clínica realizou 945 cirurgias de catarata e não houve nenhuma intercorrência. Há um processo de investigação em curso. Nós não sabemos como essa bactéria entrou no centro-cirúrgico e como se deu a contaminação”, diz.

Segundo o oftalmologista Paulo Augusto de Arruda Melo, da Universidade Federal Paulista, todos os equipamentos e medicamentos usados nas cirurgias, como colírios e anestesias, devem ser examinados. Ele questiona a própria realização de cirurgias em larga escala, nos chamados mutirões. “Tem que se questionar a real necessidade de um mutirão de catarata numa cidade, num município desenvolvido encostado em São Paulo”, afirma.

Secretaria
A Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo informou que está prestando todo o apoio às vítimas e seus parentes, o que inclui tratamento psicológico. A secretaria não quis informar o nome do médico e dos assistentes que participaram das cirurgias e disse que todas as informações estão sendo passadas para o Ministério Público e outras autoridades competentes.

Dois acidentes envolvendo motocicletas foram registrados pelo plantão do SAMU-192, em Condeúba, nessa quarta-feira, 10 de fevereiro. O primeiro foi registrado pela tarde no bairro de Divino Espírito Santo. O serviço de atendimento móvel de urgência foi acionado quando um garoto de 15 anos pilotava uma moto que veio a se chocar com um carro.

O segundo atendimento, foi por volta das 22 horas próximo ao trevo que liga a BA-148 com a BA-263, a 3 km de Condeúba. Segundo informações do plantão, um motociclista identificado com o prenome de Luís sofreu um acidente também com uma motocicleta. De acordo com o relato do piloto, um ônibus teria causado o acidente, fazendo com que sua moto fosse jogada para fora da pista. A polícia se encontra presente no local registrando a ocorrência.

Nos dois casos ninguém ficou gravemente ferido, apenas escoriações. 

 

Um veículo modelo VW Voyage capotou na BA-263, próximo a cidade de  Piripá, na manhã dessa segunda-feira, 08. De acordo com informações de um leitor do FRC que esteve no local momentos após acontecer o fato, os ocupantes do carro foram socorridos e ninguém ficou gravemente ferido.

As causas do acidente ainda não foram esclarecidas.

Atualizado às 12:48

Se tornou tendência nos últimos anos prefeitos usarem a justificativa de cancelarem festas para usar a verba em áreas prioritárias como saúde e educação. Além de gerar uma boa imagem para os gestores, isso gera uma repercussão midiática gratuita.

Entretanto, em Condeúba o tiro parece que saiu pela culatra. Um cidadão condeubense fez um protesto nas redes sociais que vem ganhando proporção, cobrando explicações do prefeito, exatamente sobre aquele anúncio feito na mídia, sobre o cancelamento do carnaval de 2015, pela Prefeitura Municipal e a promessa de aplicar os valores em duas escolas do município, na construção de quatro novas salas de aula nas escolas Eleutério Tavares e Dário de Oliveira Lima.

O valor que seria gasto com as festividades carnavalescas, de acordo com a Diretoria de Cultura, para o carnaval 2015 de Condeúba, estava estimado em cerca de 52 mil reais. O fato é que o evento foi cancelado e um ano após a promessa, apenas duas salas foram construídas no Eleutério Tavares mas o Dário Lima, no Divino Espírito Santo, não recebeu o benefício, nem se prestou contas publicamente, como foi feito no anúncio, do que se fez com restante do valor.

Na publicação no seu perfil o jovem ainda questiona a administração municipal: "Apenas fiquei na curiosidade, as salas prometidas para o DÁRIO LIMA serão entregues esse ano? o Dário e a população do bairro Divino Espirito Santo não merecem salas novas? O gato comeu o restante do dinheiro destinado? Ou devemos ficar calados e aguardar mais um pouquinho, pois este ano será de eleições e a bondade tocará o coração dos nossos governantes? SE ALGUÉM PODER ME RESPONDER FICAREI GRATO!"

Cansados de esperar e fartos de promesas, os moradores da comunidade de Lagoa do Curral, próximo ao Alegre, Zona Rural de Condeúba, decidiram fazer por conta própria uma ponte que está quebrada desde 2013.

Um morador chegou a gravar um vídeo em protesto (assista aqui) contra o descaso do poder público mas nem isso foi suficiente para que o problema fosse resolvido. Com as chuvas, o rio voltou a ter água e agora fica difícil a travessia por dentro do córrego. Os moradores se reuniram, montaram um multirão e fizeram uma ponte de madeira improvisada para a comunidade poder fazer a travessia.

Mesmo que não dê suporte para passagem de veículos e motos, já servirá para pedestres circularem pela região.

Por Isaak Naum

O crime de captação ilícita de sufrágio popularmente chamado de compra de votos está previsto no artigo 41 A da Lei das Eleições, a Lei nº 9.504/1997.

A captação de sufrágios (votos), em regra ocorre quando os políticos que tem a sua candidatura habilitada pela justiça eleitoral buscam captar mais eleitores que se identifiquem com a sua proposta de governo, com o intuito de receber o seu voto e assim vencerem as eleições que estão disputando, os políticos devem obter estes votos através das propagandas eleitorais, debates políticos, comícios e expondo as suas ideias, para assim conseguir mais simpatizantes e eleitores a sua causa.

Porém, a captação de eleitores não pode ser feita de qualquer forma, não são permitidas as técnicas que ferem o equilíbrio das disputas eleitorais entre os políticos, nem tampouco ações que induzam o voto ou que interfira na vontade livre dos eleitores. Deste modo é vedado pelo ordenamento jurídico o uso abusivo do poder político ou econômico, dentre eles o uso indevido dos meios de comunicação social, e outras condutas que a legislação entenda como ilícita.

A captação ilícita de sufrágios é um crime que só pode ser cometido pelo candidato, somente ele, se um terceiro em seu nome oferecer ou entregar algum bem ou vantagem pessoal com o intuito de captar votos, comete crime de corrupção ou abuso de poder econômico, e não o de captação de sufrágio. Para que o crime seja concretizado é necessário que o próprio candidato seja flagrado realizando o ato ilícito.

Para a caracterização do ato ilícito não há a necessidade do eleitor obter a vantagem ou aceitar a ajuda, para que seja considerado crime basta à promessa de ajuda, já qualifica o ato ilícito.

O crime é punido com o cancelamento do registro de candidatura, portanto não há tentativa de captação de sufrágios, havendo a promessa de vantagem, já são deflagrados os efeitos que a lei prevê, porém a efetivação da sanção depende da decisão judicial transita em julgado. As vantagens oferecidas aos eleitores podem ser de qualquer natureza, entre elas: terrenos, bicicletas, cestas básicas, ajuda médica, material de construção, entre outros, podem também ser oferecidas de maneira imaterial como: emprego em repartições públicas ou privadas.

Segundo informações de moradores da região da Lagoa do Curral, que entraram em contato com o plantão da redação do Folha Regional de Condeúba, o sangradouro da barragem da localidade, que estava inacabado, por ineficiência da atual gestão administrativa condeubense, não suportou a vazão da correnteza da água e se rompeu.

Apesar de não haver registro de nenhuma vítima, o prejuízo é imenso para a população local. Como no município de Condeúba as chuvas são escassas, o reservatório perdeu sua capacidade de armazenar a água das chuvas desse mês de janeiro e não terá condições de servir à comunidade conforme foi projetado.

Esse reservatório foi construído na gestão passada e já suportou anos de cheias, porém com as interveções da atual gestão mudando o sangradouro de local, esse ponto da barragem não foi reforçado com alvenaria e se rompeu. Com o rompimento do sangradouro, quase toda a água que estava armanezada acabou sendo liberada.

O fenômeno das secas sempre foram registrados em todos os municípios da região e agora, cada vez com um intervalo de tempo maior, a falta de planejamento dos governos e a ausência de projetos realizados no tempo correto e por profissionais com capacidade técnica para tal, acaba fazendo com que as consequências sejam ainda maiores.

Projetos como a barragem de médio porte dos Morrinhos e açudes locais como o da Lagoa do Curral seriam a solução para amenizar as consequências dessas secas. Agora, com um projeto totalmente fora de padrão, a ineficiência do governo desperdiçou a oportunidade de armazenar as águas advindas das chuvas desse mês de Janeiro e que poderia servir de suporte nos meses de estiagem do ano de 2016.

Um sonho de dezena de pessoas que foi frustado e um desperdício do dinheiro público.

Fotos da barragem antes de se romper

{gallery}barragem-lagoa-do-curral-jan-2016{/gallery} 

Dois leitores enviaram fotos e vídeos para a redação do Folha Regional de Condeúba apontando a iminência de um problema comum tanto à barragem do Riacho Seco como à barragem da Lagoa do Curral. Se de fato vier a acontecer como apontaram esses leitores e como mostram as imagens, o sonho dos moradores dessas localidades de vencer a seca e ter um ano produtivo, passará a ser um pesadelo. 

Segundo os leitores que visitaram os dois reservatórios, a situação é semelhante em ambos: Devido as obras de construção do reservatório não terem sido finalizadas, não foi utilizado uma construção de alvenaria no sangradouro. Com a passagem do grande volume de água, a terra esta cedendo e poderar afetar as bancas das duas barragens.

As preciptações que cairam sobre o município já somam 301 mm e ainda há previsão para mais chuvas.