Login to your account

Username *
Password *
Remember Me
Sexta, 15 Novembro 2019
Muito Nublado

31°C

Condeúba

Muito Nublado

Umidade: 35%

Vento: 9 km/h

Itens filtrados por data: Segunda, 09 Setembro 2019

Desde o rompimento da barragem da mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, a cidade mineira registrou crescimento de suicídios e tentativas, principalmente entre mulheres. Segundo reportagem do Estadão, a situação reflete a deterioração na saúde mental da população, comprovada pelo também crescimento no número de prescrições de antidepressivos e ansiolíticos (medicamentos para controlar ansiedade e tensão).

A cidade mineira contabilizou durante os primeiros seis meses deste ano 39 tentativas de suicídio, sendo 11 entre homens e 28 entre mulheres, 9 casos a mais do que no mesmo período de 2018. Em relação aos suicídios, o número passou de um, em 2018, para 3 este ano, conforme apurado pelo Estadão.

Publicado em Brasil

Uma comitiva de deputados baianos foi recebida ontem, pela ministra da Agricultura, Tereza Cristina, em Brasília com o objetivo de debater a situação da lavoura cacaueira e o endividamento dos produtores. Na audiência, os parlamentares entregaram uma carta com propostas que visam resgatar o desenvolvimento da economia do cacau, na região sul da Bahia. Diante dos apelos, a titular da pasta determinou que seja criado um grupo de trabalho, que vai nortear a criação de uma Medida Provisória a ser encaminhada ao Ministério da Economia, até o final de setembro e posteriormente será votada no Congresso. A reunião aconteceu uma semana, após a realização da audiência sobre o cacau na Assembleia Legislativa da Bahia.

Participaram os deputados federais, líder do DEM, Elmar Nascimento, Leur Lomanto Jr. (DEM), João Roma (PRB) e os estaduais que compõem a Comissão de Agricultura na Assembleia Legislativa, a presidente, Jusmari Oliveira (PSD), o vice-presidente Sandro Régis (DEM) e membro titular Pedro Tavares (DEM), além do representante dos produtores de cacau, Rui Souza, o superintendente nacional da Ceplac, Guilherme Galvão e o superintendente da Sudeco, Nelson Fraga.

Entre os pontos debatidos foi definido que os produtores com débitos no FNE que não estavam enquadrados passarão a ter direito ao enquadramento. Será permitido que os produtores de cacau com dívidas no FNE passem a receber o benefício do desconto, semelhante aos produtores da região do semiárido, reduzindo um terço da dívida, além da iniciativa para a criação de uma linha de crédito.

Publicado em Bahia