Login to your account

Username *
Password *
Remember Me
Quinta, 19 Setembro 2019
Claro

20°C

Condeúba

Claro

Umidade: 78%

Vento: 12 km/h

×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 42

Apostas são de Curitiba (PR), Palotina (PR), Maceió (AL) e Teofilândia (BA). Cabe a cada uma delas R$ 56.169.465,02.

Com a sensação de missão cumprida, em nome da equipe do Jornal Folha de Condeúba quero agradecer todos os usuários que tornaram deste portal de notícias, um sucesso.

O IDH da era Fernando Henrique supera os 10 anos do PT de Lula

Verificando o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) publicado em 2003, com o apresentado hoje pelo IPEA, temos um quadro que pode estar expressando uma década perdida, marcada pelas duas gestões de Lula. O IDH 2013, que cobre a gestão do ex-presidente, é menor do que o IDH 2003, que abrange a gestão tucana. Ao que parece, de forma equivocada ou proposital, o IPEA resolveu analisar 20 anos, em vez de 10 anos.

O fato é que o Brasil melhorou muito mais no IDH com FHC do que com Lula. Em 20 anos, a imprensa nacional tem destacado que o Brasil avançou quase 50% no IDH e não foi melhor devido o péssimo desempenho em Educação. A realidade, é só comparar, não fosse a era FHC a situação seria desastrosa. O PT emplacou uma década perdida.

 Somente o Distrito Federal manteve a sua posição. Bahia, Acre, Rio Grande do Sul e Sergipe perderam posições no ranking do IDH. Fracasso petista em termos de gestão. De cinco estados, apenas um manteve a sua posição, os outros quatro perderam posições. A Bahia da propaganda de Jaques Wagner (PT) desabou no IDH. Os estados governados por tucanos, à exceção do Pará, que perdeu posições, de Alagoas e Paraná que mantiveram os seus postos, 5 estados melhoraram o desempenho do IDH: São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Tocantins e Roraima.

Fonte: Blog da Resenha Geral

 

O cantor, sanfoneiro e compositor Dominguinhos, um dos maiores representantes do legado deixado pelo rei do baião, Luiz Gonzaga, morreu aos 72 anos, nesta terça-feira (23), no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. Ele morreu às 18h, devido a complicações infecciosas e cardíacas no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, informou a unidade de saúde por meio de nota de falecimento.

Segundo o Estadão, a esposa do músico, a cantora Guadalupe Mendonça, afirmou que passou a tarde com Dominguinhos e que ouviram juntos a música dele, Casa Tudo Azul, a qual seria a de sua despedida. "Ele partiu assim, lentamente, foi embora com os anjos", afirmou Guadalupe, segundo a publicação. À Folha de S. Paulo, ela falou sobre o enterro do sanfoneiro: "vamos tentar organizar um velório em São Paulo para que as pessoas possam se despedir dele e, depois, levá-lo ao Recife para o enterro", disse.

Ele estava internado neste hospital desde o último dia 13 de janeiro, onde vinha sendo tratado desde que fora transferido de Recife. Na capital pernambucana, ele estava internado em um hospital desde o dia 17 de dezembro do ano passado, onde deu entrada com arritmia cardíaca e infecção respiratória. Há seis anos, o sanfoneiro lutava contra um câncer no pulmão.

Nascido em Garanhuns, no dia 12 de fevereiro de 1941, José Domingos de Morais, famoso como Dominguinhos, alcançou grande reconhecido em todo mundo, como grande instrumentista, cantor e compositor.

Em 1950, aos nove anos de idade, conheceu Luiz Gonzaga quando tocava na porta do hotel em que este estava hospedado. Luiz Gonzaga se impressionou com a desenvoltura do menino e o convidou a ir ao Rio de Janeiro. O que o menino fez com toda família. Ao encontrar-se com o rei do baião no Rio, Gonzagão lhe deu de presente uma sanfona e o integrou à sua equipe de músicos. Dominguinhos passou a fazer shows pelo Brasil e participar de gravações.

Exímio sanfoneiro, o autor de grandes sucessos como a linda canção 'Lamento Sertanejo' (Dominguinhos/Gilberto Gil), teve como mestres nomes como Luiz Gonzaga e Orlando Silveira. Em sua formação musical Dominguinhos teve influências de baião, bossa nova, choro, forró, xote e jazz.

Em sua discografia, que contou com diversas participações da sua ex-mulher, a cantora Anastácia, com mais de 40 títulos lançados, estão discos gravados desde a década de 60 (o primeiro foi Fim de Festa - 1964) até os anos 2000 (o último foi o belíssimo Yamandu + Dominguinhos de 2008).

Com uma carreira de 50 anos, o sanfoneiro coleciona prêmios, entre eles o Prêmio da Música Brasileira, conquistado em 2008, e o Prêmio Shell de Música, em 2010, com as composições De Volta pro Aconchego, Gostoso Demais e Tenho Sede, sendo que as duas primeiras são resultado de parceria com o também pernambucano Nando Cordel. Ele foi vencedor também do Grammy Latino com o CD Chegando de Mansinho. Um de seus grandes sucessos - Eu Só Quero um Xodó -, de 1973, teve 250 regravações em vários idiomas entre eles o inglês, holandês e italiano.

Fonte: Ibahia

Em cerimônia de boas vindas ao papa Francisco, nesta segunda-feira (22), no Palácio de Guanabara, no RJ, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa protagonizou uma cena curiosa.

Ao se dirigir ao sumo pontífice, o ministro o saudou, mas sequer dirigiu um olhar à presidente Dilma Rousseff, que estava do lado do papa. Dilma ainda esboçou um cumprimento, mas Barbosa passou direto.

 

Assista o vídeo:

  

Grupo protesta contra a visita do Papa e vai em direção ao Palácio Guanabara. Uma barreira de grades e dezenas de policiais está montada na Rua Pinheiro Machado, esquina com Álvaro Chaves, para impedir a passagem dos manifestantes.

Fonte / Foto: G1

 

O perfil do portal G1 no Twitter foi invadido por hackers no início da tarde desta segunda-feira (22).

O responsável pelo ato, que se identificou como @AnonManifest!, utilizou a conta do veículo de comunicação pertencente à Globo para publicar a seguinte mensagem: “Se você não for cuidadoso, os jornais farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo”. Malcolm X. #BRASIL #VemPraRua em alusão aos protestos que tomaram conta nas últimas semanas.

Até as 13h50 desta segunda a conta seguia sob o controle do invasor e já exibia diversos tuítes: “Três palavras definem o jornalismo brasileiro atual NOJENTO, TRAIDOR E COVARDE! (...) Desliguem suas TVs, Quem tem o Peoplemeter em casa boicotem os telejornais, boicotem a Rede Globo Faça isso pelo seu país!"

Fonte: Bahia Notícias

O Ministério da Saúde está investindo R$ 10 milhões para chamar profissionais e explicar o programa Mais Médicos em rádio, tevê e jornais. A campanha publicitária, que começou a ser veiculada nesta semana, pretende chamar médicos para participar e também fazer com que os municípios que precisam de profissionais se inscrevam no programa.

Criticado desde antes de o Mais Médicos ser anunciado por completo, o ministério também usa a campanha para conquistar a população que precisa de atendimento, mas desconhece a ação do governo. A análise é que, apesar da contrariedade da classe médica, a maioria da população é simpática à ideia, que ganhará apoio com divulgação.

De acordo com uma nota do ministério enviada à reportagem, a razão principal é atrair candidatos às vagas e aos municípios que precisam de médicos. “A execução do programa depende da adesão de municípios, que apontarão a demanda de unidades de saúde que não contam com profissionais, e de médicos, que receberão bolsa federal de R$$ 10 mil para atuar nos municípios do interior e nas periferias das grandes cidades”, diz o texto.

A nota explica que a campanha é para atingir esses públicos e tem os mesmos moldes e o mesmo custo da que divulgou o Programa de Valorização da Atenção Básica (Provab), proposta anterior de atração de médicos para o interior. O programa enfrenta enorme resistência da classe médica, contrária especialmente à contratação de estrangeiros, possibilidade aberta pelo governo caso as vagas não sejam preenchidas por brasileiros.

Apesar de o Brasil ter apenas 1,8 médico para cada mil habitantes, entidades alegam que o País importará pessoas mal formadas quando o maior problema da saúde é a falta de infraestrutura. Na sexta-feira, o Conselho Federal de Medicina, a Federação Nacional dos Médicos, a Associação Médica Brasileira e a Associação Nacional de Médicos Residentes anunciaram, em protesto, que deixarão ao menos 11 comissões do ministério.

Fonte: Blog da Resenha Geral