Login to your account

Username *
Password *
Remember Me
Sexta, 21 Setembro 2018
20°C

Condeúba

Parcialmente nublado Humidade: 70%
Vento: ENE17.70 km/h


Polícia Federal conclui que Temer recebeu propinas da Odebrecht

Publicado por     |   06 Set 2018
  |  
Polícia Federal conclui que Temer recebeu propinas da Odebrecht
Foto: Marcos Corrêa / PR

A Polícia Federal concluiu inquérito sobre supostos repasses ilícitos da Odebrecht ao MDB e concluiu que o presidente Michel Temer recebeu da empreiteira propinas de ao menos R$ 1,43 milhão por meio de intermediários.

Em relatório sobre o caso, o delegado Thiago Machado Delabary sustenta que há indícios de que o emedebista praticou os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

O documento foi enviado nesta quarta (5) ao STF (Supremo Tribunal Federal). Com base nas provas apresentadas, a PGR (Procuradoria-Geral da República) decidirá se denuncia o presidente pela terceira vez.

Além de Temer, a PF também viu elementos de que dois de seus ministros -Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Minas e Energia)- foram corrompidos.

O inquérito foi aberto após delatores da Odebrecht relatarem que, num jantar no Palácio do Jaburu, acertaram com Temer e aliados o repasse ilícito de R$ 10 milhões em recursos em 2014.

O relatório também implica outros investigados, como o candidato do MDB ao governo de São Paulo Paulo Skaf.

A defesa do presidente Michel Temer informou que até às 20h desta quarta-feira (5) não havia tomado conhecimento do conteúdo do relatório da PF e, por isso, preferiu não se manifestar. A defesa disse ainda que é preciso aguardar uma manifestação do Ministério Público Federal, que pode ou não concordar com a conclusão da PF e até mesmo sugerir o arquivamento do caso.

A reportagem ainda não localizou os demais citados no relatório.

Micael B Silveira

Graduando em Engenharia de Controle e Automação, Jornalista amador nas horas vagas e apaixonado por sua terra natal: Condeúba.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.