Login to your account

Username *
Password *
Remember Me
Sábado, 30 Maio 2020
Parcialmente Nublado

14°C

Condeúba

Parcialmente Nublado

Umidade: 95%

Vento: 7 km/h

Terça, 04 Abril 2017

Na madrugada desta quarta-feira (5), um grupo fortemente armado explodiu a agência do Banco do Brasil na cidade de Urandi, no sudoeste da Bahia. Segundo informações obtidas pelo site Brumado Notícias, por volta de 2h40, cerca de 15 homens invadiram a agência e explodiram os caixas.

Foram usadas dinamites e o banco ficou completamente destruído. Ninguém foi feito refém e não há feridos. Policiais do 17º Batalhão de Polícia Militar foram acionados e estão realizando buscas em toda região para tentar prender os criminosos. Ainda não há informações sobre a quantidade de dinheiro roubada.

*As informações são do
Brumado Notícias

Onda de Assalto

Batalhões especiais das Polícia se encontra em operação na região Sudoeste em busca de um bando criminoso que também explodiu uma agência do Banco do Brasil na última terça-feira, no município de Boa Nota. Ainda não há informações se os crimes possuem ligações.

Publicado em Bahia

O lavrador aposentado Adão de Souza Lobo, de 75 anos, e o filho, Paulo Sérgio de Souza Lobo, de 37 anos, foram encontrados mortos com os corpos queimados na casa onde moravam, na comunidade rural da Penha, que margeia o Rio do Antônio, em Brumado.

Um filho do lavrador que preferiu não se identificar disse ao site Brumado Notícias que a família já havia sido vítima de vários assaltos. “Ano passado, logo depois que meu pai adquiriu uma televisão nova, os bandidos vieram aqui e o agrediram durante um assalto.

Agora, a agressão terminou em morte”, contou. A primeira suspeita da polícia é de que os homens foram vítimas de um latrocínio (roubo seguido de morte), levando em consideração que os autores do crime primeiro destelharam uma parte da casa para invadir o local.

Outra hipótese é de que pai e filho tenham resistido à ação dos marginais. Um aparelho de rádio foi encontrado do lado de fora da casa, o que reforça a hipótese de latrocínio. Vizinhos disseram que os bandidos haviam tentado roubar uma residência próxima, mas, como não conseguiram, partiram para casa do idoso.

Pai e filho moravam sozinhos na propriedade, onde criavam algumas cabeças de gado leiteiro e mantinham uma plantação de palma. Com as chuvas da última semana, os policiais tiveram dificuldades para acessar a casa. Os corpos foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML) de Brumado para serem periciados.

Fonte: Brumado Notícias

Publicado em Bahia

G1
Por 7 votos a 3, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) declararam nesta quarta-feira (5) inconstitucional o direito de greve de servidores públicos de órgãos de segurança e decidiram proibir qualquer forma de paralisação nas carreiras policiais.

A decisão da Suprema Corte terá a chamada repercussão geral, ou seja, deverá ser seguida, a partir de agora, por todas as instâncias da Justiça. A inconstitucionalidade das greves de policiais foi declarada no julgamento de um recurso apresentado pelo governo de Goiás contra uma decisão do Tribunal de Justiça do estado que havia considerado legal uma paralisação feita, em 2012, por policiais civis goianos.

No processo, diversas entidades se manifestaram contra a possibilidade de greve por agentes de segurança, com base no artigo 142 da Constituição, que proíbe sindicalização e greve de integrantes das Forças Armadas.

Desde 2009, diversas decisões de ministros do STF consideraram ilegais as greves de policiais militares, civis e federais, sob o argumento de que representam risco para a segurança pública e para a manutenção da ordem.

No julgamento desta quarta-feira, votaram para proibir as greves de policiais os ministros Alexandre de Moraes, Luis Roberto Barroso, Luiz Fux, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Cármen Lúcia.

Por outro lado, o relator do caso, ministro Edson Fachin, e os ministros Rosa Weber e Marco Aurélio Mello se manifestaram pela constitucionalidade das paralisações de policiais, desde que fossem impostos limites às greves. O ministro Celso de Mello não participou do julgamento.

Publicado em Brasil
X

Proteção de Conteúdo

Conteúdo protegido por direitos autorais. Para obter autorização de reprodução, envie um e-mail para [email protected]