Login to your account

Username *
Password *
Remember Me
Terça, 21 Maio 2019
Muito Nublado

27°C

Condeúba

Muito Nublado

Umidade: 50%

Vento: 9 km/h

×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 42

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 982

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 300

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 302

 

Mais de vinte pacientes de um mutirão de catarata realizado no Hospital de Clínicas do Alvarenga, em São Bernardo do Campo, foram contaminados por uma bactéria. São pacientes idosos, que agora dependem de medicamentos caros e de acompanhamento especial.

O aposentado Expedito Batista é uma das vítimas. Ele decidiu fazer a cirurgia buscando maior qualidade de vida e continuar realizando uma de suas paixões, viajar de carro, como condutor. “Eu tinha 70% da minha visão. Entrei bem pra operar, pra melhorar. E perdi totalmente a visão do lado direito”, conta.

E a perda é definitiva, disseram os médicos que já operaram o aposentado mais duas vezes para combater a infecção por uma bactéria. A mesma que atingiu muitos outros pacientes que participaram do mutirão, no fim de janeiro. Segundo informações recolhidas pelas famílias, pelo menos quinze perderam a visão e dez, o próprio globo ocular. Os parentes se organizam para processar o hospital.

Letícia Meikoga, filha de uma das vítimas, afirma que o grupo pretende entrar com uma ação pedindo indenização por danos morais, materiais e suporta para as famílias, além de medicamentos.

Marialda Alves Sampaio, também filha de vítima, representa uma das famílias que precisarão de ajuda a partir de agora. Ela conta que o pai dela, de 80 anos, era quem cuidava da mulher, também idosa. Mas agora, sem um dos olhos, a família terá de encontrar outra solução. “Nós trabalhamos, não podemos ficar lá o tempo todo. Eles vão precisar de um acompanhante. E quem vai ter que bancar esse acompanhante?”, questiona.

A Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo confirma que de 27 pacientes operados no dia 30 de janeiro, 21 foram contaminados. A origem da contaminação ainda está sendo investigada. E o contrato com a clínica particular, que atende no hospital de forma terceirizada, foi temporariamente suspenso.

A secretária da Saúde, Odete Gialdi, afirma que o contrato com a clínica foi firmado em 2014. “No ano de 2015, essas mesma clínica realizou 945 cirurgias de catarata e não houve nenhuma intercorrência. Há um processo de investigação em curso. Nós não sabemos como essa bactéria entrou no centro-cirúrgico e como se deu a contaminação”, diz.

Segundo o oftalmologista Paulo Augusto de Arruda Melo, da Universidade Federal Paulista, todos os equipamentos e medicamentos usados nas cirurgias, como colírios e anestesias, devem ser examinados. Ele questiona a própria realização de cirurgias em larga escala, nos chamados mutirões. “Tem que se questionar a real necessidade de um mutirão de catarata numa cidade, num município desenvolvido encostado em São Paulo”, afirma.

Secretaria
A Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo informou que está prestando todo o apoio às vítimas e seus parentes, o que inclui tratamento psicológico. A secretaria não quis informar o nome do médico e dos assistentes que participaram das cirurgias e disse que todas as informações estão sendo passadas para o Ministério Público e outras autoridades competentes.

De janeiro até a última quinta-feira (3), a Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) registrou 150 suspeitas de casos de microcefalia. De acordo com a Sesab, em 86 casos foi constatado que o bebê possui crânio menor a 32 centímetros. Em 64 notificações, ainda não há informações sobre o perímetro encefálico. O primeiro boletim da Sesab sobre microcefalia, divulgado em novembro, apontava 13 casos em toda a Bahia.

Na sexta-feira (4), foi emitido o segundo boletim, informando 112 casos suspeitos e 26 confirmações. O estado também registra seis óbitos por microcefalia nos municípios de Salvador, Itapetinga, Olindina, Tanhaçu, Camaçari e Itabuna.

As cidades com maior número de casos confirmados são Salvador (53), Lauro de Freitas (4) e Camaçari (3). A microcefalia provoca sequelas neurológicas e motoras nas crianças que nascem com má-formação do crânio.

Nesta terça-feira (8), o governador Rui Costa se reunirá com a presidente Dilma Rousseff, em Brasília, para discutir os problemas causados pela Zika vírus. A doença está relacionada com o aumento nos casos de microcefalia no país.

*Informações do Bahia Notícias

Durante todo este mês, diversos países buscam conscientizar a população masculina sobre a importância do diagnóstico precoce e tratamento do câncer de próstata, por meio da campanha Novembro Azul.

Devido a comentários equivocados de leitores, que associaram a enfermidade a doenças sexualmente transmissíveis, o Bahia Notícias decidiu explicar como pacientes desenvolvem a doença e a importância de vencer o preconceito que envolve o exame de triagem. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), são esperados cerca de 68 mil novos casos da doença no Brasil anualmente.

"O principal fator de risco para o câncer de próstata é a idade. Mais de 60% dos casos são em indivíduos com idade superior a 65 anos. Pode acontecer após os 50 anos, principalmente em quem tem histórico familiar", explicou o chefe do Serviço de Urologia do Hospital Santa Izabel, Humberto Ferraz.

Quando diagnosticados precocemente, o Inca aponta que 90% dos casos têm chance de cura. Para isso, todos os homens acima de 50 anos devem passar pelo exame de sangue chamado PSA e pelo toque retal. No caso de histórico familiar, a avaliação deve ser feita por volta dos 45 anos.

O ministro da Saúde, Arthur Chioro, afirmou nesta segunda-feira (28) que o atendimento público de saúde pode entrar em colapso no próximo ano devido à falta de recursos. "A verba termina em outubro. Essa é uma situação que nunca foi vivida pelo Sistema Único de Saúde nos seus 25 anos. Ela aponta para um verdadeiro colapso na área", disse em entrevista ao Estado de S. Paulo.

De acordo com Chioro, atualmente o Brasil não tem recursos suficientes para financiar ações de média e alta complexidade. Para o ministro, o problema é ligado a um subfinanciamento estrutural, sobre o qual argumenta desde que assumiu a pasta. "Além do financiamento de médio e longo prazo, há um desafio imediato.

O orçamento de 2016 mostra a necessidade de lastrear R$ 9 bilhões para média e alta complexidade, equivalente a 10% do orçamento reservado para a pasta", completou. Com saída do ministério dada como certa, Chioro pontuou ainda que qualquer outro gestor terá dificuldade na administração da pasta. "Estando eu à frente do Ministério da Saúde, ou qualquer outro gestor público, com mais ou menos experiência, com mais ou menos compromisso, o que se aponta é uma situação inadministrável".

BN

Bahia Notícias

Na Bahia, mais de 20 mil baianos estão com fortes dores de cabeça, dores atrás dos olhos, perda do paladar e do apetite, náuseas, vômitos, moleza, dor no corpo e outros sintomas da dengue. De acordo com a Secretaria de Saúde (Sesab) da Bahia, o estado encontra-se em estado de emergência por conta dos aumentos dos casos de dengue em 2015. Dados do Ministério da Saúde apontam que, em todo ano de 2014, 4.792 casos foram registrados no estado. Este ano, até do dia 30 de abril, 20.813 casos foram registrados – o que representa um aumento de 153% em relação ao mesmo período do ano passado.

Os casos estão presentes em 286 dos 417 dos municípios da Bahia (68,6%) e colocam em alerta as populações de Itabuna (4.280), Ilhéus (3.629), Jequié (1.508), Salvador (880), Ibicaraí (592), Jeremoabo (569), Buerarema (470), Simões Filhos (406), Macaúbas (398) e Feira de Santana (396), que concentram 63,1% das ocorrências.

De acordo com boletim da Sesab, duas mortes foram registradas: uma em Salvador e outra em Feira de Santana. Para deter o avanço da doença, a Sesab diz fazer o acompanhamento e monitoramento dinâmico dos municípios, visando detectar precocemente o início da transmissão de dengue através de instrumentos de coleta e processamento de dados informatizados e mapas digitalizados e bloqueio de transmissão com equipamentos portáteis para aplicação de inseticida à ultra baixo volume (UBV) em 257 municípios (286 notificantes). A febre chikungunya, registrada desde setembro de 2014 na Bahia, tem 5.953 casos em 127 municípios até o dia 22 de abril deste ano. Do total destes casos, 2.360 em 2014, 3.397 em 2015.

As cidades com transmissão confirmada no período são Feira de Santana, Riachão do Jacuípe, Baixa Grande, Ribeira do Pombal, Amélia Rodrigues, Valente, Camaçari, Salvador e Simões Filho. Os municípios com casos importados (casos confirmados com vínculo epidemiológico com Feira de Santana ou Riachão do Jacuípe) são Alagoinhas, Brejões, Cachoeira, Conceição do Coité, Nova Fátima, Irecê, Pé de Serra e Santa Bárbara. Outros municípios que têm casos confirmados e permanecem em investigação quanto ao local provável de infecção: Capela do Alto Alegre, Ipirá, Lauro de Freitas, Pé de Serra, Pintadas, Serrinha e Una. Já a tal “doença misteriosa”, diagnosticada pelo Instituto de Saúde Coletiva (ISC) da Ufba como Zika Virus, teve 5.067 registros, sendo a maior concentração nos municípios de Camaçari (2.296); Salvador (1.051); Simões Filho (486); Jequié (396); Itiúba (222); Valença (66); Feira de Santana (40); Ruy Barbosa (31); Várzea do Poço (25); Ibiquera (21); Camamu (20); Una (19); Itacaré (17); São José da Vitória (16); Ponto Novo (14); Santo Antônio de Jesus (12); Filadélfia (10); Itatim (10) e São Felipe (10).

Bahia Notícias

Pesquisadores baianos descobriram nesta quarta-feira (29) o zika vírus, causador da doença misteriosa que atingiu cerca de 3.500 pessoas, segundo dados da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (SESAB). Em conversa com o Bahia Notícias, o pesquisador Gúbio Soares, que participou junto à pesquisadora Sílvia Sardi do estudo que levou à descoberta, explicou como chegaram ao vírus causador da enfermidade.

“Recebemos amostras de um médico amostras de soros de Camaçari. Ele nos mostrou fotos dos casos e nos relatou tudo. Começamos os estudos para tentar encontrar dengue, chikungunya, mas analisamos várias amostras do vírus e não encontramos estas doenças. Começamos a encontrar o vírus através de uma técnica chamada RT-PCE”, contou. Descoberto em 1947, em Uganda, leste da África, o zika vírus teria chegado à Bahia através de turistas, durante a Copa do Mundo. É o que acredita o especialista: “este vírus causou um surto na Polinésia Francesa em 2013.

Acreditamos que, com a vinda de milhões de turistas visitando a Bahia durante a Copa, eles tenham trazido o vírus junto”, deduziu. De acordo com Soares, a doença, transmitida por vários mosquitos da espécie aedes, não é tão grave quanto à dengue e a febre chikungunya. “Ela é branda, não causa hemorragias. O paciente sente como se tivesse tendo uma alergia, além de dor nos olhos e, em alguns casos, quadros de conjuntivite, mas não existem casos de óbitos provocados pela doença”, explicou.

O pesquisador também afirmou que o tratamento da doença é feito com medicamentos para dores no corpo e febre e que não há nenhum tipo de kit que possa diagnosticar a enfermidade rapidamente. Ele ainda disse que a principal forma de prevenção da doença é o combate ao mosquito aedes. “Esta é a principal medida profilática. A população precisa combater o aedes, pois quanto mais mosquito você tem, maior a probabilidade de adquirir a doença”, ressaltou.

Distorções, mitos, preconceitos e tabus, causados principalmente por falta de conhecimento, prejudicam a abordagem do tema, inclusive por psicólogos

 

Mesmo que a Internet e a televisão proporcionem a chamada erotização da vida doméstica, muitos país ainda enfrentam problemas na hora em que precisam falar sobre sexo com seus filhos. O avanço da tecnologia proporciona muito mais informação aos jovens e, como reconhecem especialistas do Ministério da Saúde, em várias situações o grau de conhecimento dos adolescentes é igual ou maior do que o dos adultos.

A visão dos adultos é de preconceito, tabus, causados principalmente por falta de conhecimento, inclusive por psicólogos que muitos têm preconceitos, apegados em costumes e padrões arcaicos, ao passo que deveriam esclarecer as famílias sobre o assunto.

  sexologia

Na história humana é possível verificar que havia uma cruel intolerância à diferença na expressão da sexualidade. Observa-se que, em escala e intensidade muito menores, essa diferenciação em pleno século XXI não superou a herança de ter um significado negativo dentro do contexto sociocultural, cujo objetivo está focalizado em um ideal que visa à norma. Obviamente é um ideal inatingível, porque as fronteiras são sempre rompidas, de modo que a sexualidade humana passa a ser discutida como transgressora da norma, pondo sob questionamento o fato de ser a sexualidade negativa e não positiva, na medida em que infringe as normas.

O psicólogo clínico se insere nesse contexto sociocultural e, portanto, dele não difere quanto aos mitos, preconceitos e tabus. Apesar do mundo globalizado, o paciente contemporâneo não deixou de ser sexuado. Preconceitos e tabus ainda existem em torno da sexualidade.

O ofício de um terapeuta  possibilita o encontro com diversos tipos de pessoas, inclusive de variada faixa etária, em situações diversas de saúde ou de doença, de nível socioeconômico e cultural, de raça, de cor e de sexo. É importante destacar que, em todas essas situações, a sexualidade e suas diversas manifestações estão presentes na realidade cotidiana e na prática clínica. Evitá-la, portanto, é uma ilusão histórica que reforça padrões repetitivos e não favorece o conhecimento e a evolução.

O objetivo do estudo é analisar como se caracteriza a abordagem e a escuta da sexualidade na prática terapêutica, especificamente investigar a opinião do terapeuta sobre a importância da abordagem da sexualidade na terapia, identificar possíveis dificuldades do terapeuta, na prática, para abordar e trabalhar a sexualidade do paciente, e investigar se a experiência clínica influencia na abordagem da sexualidade na terapia.

 

Preceitos
O pernambucano Jurandir Freire Costa, psicanalista e escritor, em seu livro O vestígio e a Aura: Corpo e Consumismo Na Moral do Espetáculo, definiu que os preceitos morais dominantes permanecem os mesmos -- modelados, é claro, pelo colorido da atualidade. Quando o assunto é sexualidade, parece que nem esse colorido consegue disfarçar as graves distorções, as falsas crendices e a má fama que envolvem o tema. Isso colabora para a manutenção equivocada de preceitos morais que desconhecem o respeito à diferença. Os textos reunidos por Jurandir em sua obra mostram interesse na análise da chamada "crise de valores contemporâneos", com base em fenômenos bem comuns nos últimos tempos, como o culto ao corpo e à aparência, o consumismo e a cultura da imagem.

São textos caracterizados, simultaneamente, por erudição, rigor e ética. Embora norteado pela filosofia, pelas ciências sociais e pela psicanálise, não é um livro dirigido somente para acadêmicos ou especialistas. O autor coloca suas ideias e pensamentos de maneira acessível a todos os que se interessam pelas grandes questões da existência humana e pelas dificuldades do mundo de hoje.

Em todas as situações, a sexualidade e suas diversas manifestações estão presentes na realidade cotidiana e na prática clínica

Imagem: Shutterstock

- Édipo -
O Complexo de Édipo, desenvolvido por Freud, indica que a criança, ao atingir o período sexual fálico na segunda infância, entende a diferença entre os sexos, criando a tendência de fixar sua atenção, relacionada à libido, às pessoas do sexo oposto no universo da família. O conceito foi descrito e recebeu a designação de "complexo" por Carl Jung (foto). Freud se baseou na tragédia de Sófocles, Édipo Rei, chamando Complexo de Édipo à preferência velada do filho pela mãe, acompanhada de uma aversão clara pelo pai.

 

Como os Psicólogos  lidam com a sexualidade na terapia?

Uma pesquisa  qualitativa utilizou de cunho observacional exploratório. O instrumento para a avaliação foi um questionário composto por 15 questões, quatro delas abrangendo aspectos sociodemográficos e 11 pertinentes aos propósitos da pesquisa. O questionário foi aplicado a psicólogos/psicoterapeutas do primeiro, segundo e terceiro anos do Curso de Especialização em Psicologia Clínica de uma instituição de ensino de Porto Alegre (RS).

Após a aplicação do questionário, foi computada a participação de 41 psicólogos, sendo 32 mulheres e nove homens, com média de 35 anos de idade. O universo pesquisado contemplou 42% de solteiros, 24% de uniões estáveis, 22% de casados, 10% de separados e 2% de divorciados.

 

Foram selecionadas quatro categorias principais que representam os conteúdos registrados no questionário. A composição das categorias coincidiu com o foco das questões formuladas. As categorias são: abordagem da sexualidade, dificuldade para abordar a sexualidade em psicoterapia, diversidade das práticas sexuais, preparo para trabalhar com sexualidade e conhecimento.

 

Composição das categorias

No quesito Abordagem da Sexualidade, as respostas referentes às três questões se encontram na tabela 1. A primeira pergunta, "A experiência clínica influencia na abordagem da sexualidade em psicoterapia?", as respostas estão representadas por *. Na segunda questão, "Você considera importante a abordagem da sexualidade em psicoterapia?", as respostas estão representadas por **. E a terceira, "Como você se sente quando tem que abordar a sexualidade com um paciente?", as respostas estão representadas por ***

À primeira questão, 35 participantes responderam "Sim" e seis participantes responderam "Não". Essas afirmações revelam que, para a maioria dos respondentes, a experiência clínica influencia na abordagem da sexualidade. É possível concluir que os psicoterapeutas novatos e intermediários podem ter dificuldades ou até mesmo não abordar o tema em psicoterapia por não se sentirem instrumentalizados com recursos que os tornem aptos para a escuta clínica da sexualidade.

Segundo Vitiello & Rodrigues Junior (1997), a sexualidade é um assunto que se reveste de massa compacta de contradições, tabus e ignorância, a tal ponto que, para os autores, nos dias atuais muitas pessoas consideram esse tema exclusivo para adultos e defendem a ideia de que tal referencial deve ser excluído dos âmbitos de palestras, cursos e currículos escolares, por o julgarem obsceno.

 

O interesse de Freud a respeito das questões da sexualidade originou-se na observação clínica da importância dos fatores sexuais na etiologia das neuroses. Foi numa época de rígida moral vitoriana, na qual a inocência das crianças era considerada inquestionável, e predominava a ideia de que a sexualidade só viria a se manifestar na puberdade. Freud, numa atitude de coragem e audácia, lançou o clássico Três ensaios sobre a teoria da sexualidade (1905).

À segunda questão - "Você considera importante a abordagem da sexualidade em psicoterapia?" - 40 dos 41 participantes responderam "Sim". Não apareceu nenhuma resposta "Não" e apenas um participante respondeu "Depende". Verifica-se a consciência dos respondentes quanto à importância em abordar o tema. Entretanto, embora haja consciência, isso não significa que, na prática clínica, ela seja ouvida e trabalhada.

 

É fato que a sexualidade está presente desde o início da vida do ser humano. A visão crítica e reflexiva sobre esse tema deve servir de estímulo aos profissionais da saúde e às instituições formadoras, para que se adaptem de maneira dinâmica aos processos de evolução e modernização da psicologia.

 

Conforme Lucca (2008), sexualidade e afetividade se autoimplicam. Ao tocarmos em uma, tocaremos imediatamente na outra. Talvez por isso fique tão difícil mexer com a sexualidade.

 

Para a terceira e última questão da primeira categoria - "Como você se sente quando tem de abordar a sexualidade com um paciente?" - as respostas mostram uma variedade de significados atribuídos ao sentimento. Observa-se que oito participantes responderam "Depende do perfil do paciente; com uns, sem dificuldades, e com outros, mais dificuldades".

 

A sexualidade é um atributo natural, mas, infelizmente, é também a causa de muitos conflitos para a maioria das pessoas.

 

Nesse caso é possível pensar que não houve compreensão da pergunta ou que os respondentes encontram dificuldades para trabalhar a sexualidade em psicoterapia com qualquer paciente. Isso sugere que, para eles, o conforto ou o desconforto ao tratar do tema vai depender do perfil do paciente e não da instrumentalização e da naturalidade do psicoterapeuta para abordar e trabalhar com a sexualidade.

 

A pesquisa também mostra que dois participantes responderam que, quando precisam abordar a sexualidade, sentem violar a intimidade do paciente. Nesse caso, a sexualidade é vista como invasão de privacidade. Cabe destacar que nessas circunstâncias a sexualidade também pode ser excluída, dissociada e não trabalhada no contexto clínico, e, em casos extremos, deixar de ser considerada como componente essencial na história de vida do indivíduo.

 

O interesse de Freud pela sexualidade originou-se da observação da importância dos fatores sexuais na etiologia das neuroses

 

É relevante lembrar que o psicólogo é um profissional de saúde e tem um papel multiplicador na sociedade. Esse é mais um motivo para que, em sua formação, seja instrumentalizado para desconstruir a visão social que nega a subjetividade da sexualidade e não educa para a demolição de mitos, preconceitos e tabus. No entanto, as faculdades não preparam seus alunos no curso de Psicologia, para lidarem com assuntos como a sexualidade. As instituições formadoras também precisam abandonar a visão tradicionalista e moral, que acaba deixando de preservar a importância da sexualidade na grade do curso.

 

A sexualidade está presente desde o início da vida e a visão crítica sobre o tema deve servir de estímulo para os profissionais da saúde

 

Resistência
A segunda categoria -- "Dificuldade para abordar a sexualidade em psicoterapia, a partir das respostas referentes à questão 'Em sua opinião, o que pode levar um psicoterapeuta a ter dificuldades de investigar a sexualidade do paciente em psicoterapia?'" - é representada na tabela 2. É possível observar que 22 participantes têm a convicção de que "problemas pessoais com a própria sexualidade" dificultam a abordagem em psicoterapia.

Não há dúvida de que a sexualidade é um tema que percorre toda a obra de Freud e continua gerando imensas resistências, mesmo nos dias atuais. O que o assunto significa para cada pessoa revela a sua existência subjetiva, inserida na pluralidade inquestionável da natureza humana. E talvez por isso seja marginalizado. Na prática da psicoterapia é imprescindível que o profissional reconheça os diversos destinos da sexualidade, não cabendo a repetição da discriminação muitas vezes sustentada pela sociedade.

 

Para Freud, é na vida adulta, com a entrada de um superego punitivo, devido a uma educação muito rígida, que ocorre a perda da inocência do sexo

 

Expressão da sexualidade
Com base na terceira categoria, "Diversidade das práticas sexuais", foi montada a tabela 3, referente à questão "Como você considera a diversidade das práticas sexuais (homossexualidade, bissexualidade etc.)?" Alguns participantes aceitam a diversidade das práticas sexuais. Porém, há respondentes que, ao classificar a diversidade das práticas sexuais como "inevitável, são opções sexuais", "consequência da sociedade atual", "respeita como respeita outras patologias", "distorção no aprendizado", "algo que ainda precisa ser estudado" e "com preconceito", demonstram falta de preparo teórico e prático necessários para desenvolver maior compreensão e visão clínica das variadas formas de expressão da sexualidade.

 

Isso sugere que as anomalias do superego geracional neutralizam discussões, estudos e esclarecimentos sobre a sexualidade, impedindo o seu reconhecimento como expressão subjetiva de cada indivíduo, pois a sexualidade não tem a carga de malícia que o sexo passa a ter com a educação.

 

É precisamente em O mal-estar na civilização (1930) que Freud sustenta que a educação não permite que vivamos segundo nosso desejo. Conforme a linha do pensamento freudiano, na vida adulta, com a entrada de um superego punitivo, devido a uma educação muito rígida, ocorre a perda da inocência do sexo. Essa perda conduz à percepção de que as coisas são proibidas, feias e erradas.

 

Em princípio, se a humanidade se desorganiza, voltando-se só para o prazer, torna-se evidente que pagamos um preço muito alto para nos humanizar, pois a imposição contra o desejo é feita o tempo todo. Isso sugere que a educação avança na zona da fantasia, estruturando o ego para se vincular à sociedade

 

 

 

 

 

 

 

 

Valdivino Alves de Sousa é Professor, Matemático, Contador, Bacharel em Direito, Pedagogo, Psicanalista e Escritor.  Autor de dez livros, pesquisador sobre Educação e Ensino Aprendizagem da Matemática.

Escreve semanalmente para a Revista Aprendizagem; Jornal da Cidade e JFC.

Contato:E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.   Site: www.valdivinoalves.com.br

 

Resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), publicada nesta quarta-feira, 2, no Diário Oficial da União, suspende a distribuição, o comércio e o uso, em todo o território nacional, do lote 3K865 (validade: 11/2015) do medicamento dipirona sódica 500 MG fabricado pela empresa Prati, Donaduzzi & Cia Ltda.