Login to your account

Username *
Password *
Remember Me
Segunda, 19 Fevereiro 2018
25°C

Condeúba

Predominantemente nublado Humidade: 68%
Vento: ENE6.44 km/h

No dia 23 de Dezembro, o evento Piripá SunSet trará para a cidade muita agitação ao som dos sucesos da Banda Boteco das Amigas. Cia do Kuarto e Tarcísio Melo também fazem parte da grade do evento.

Os leitores do FRC terão a oportunidade de ir para a festa sem pagar a entrada. O site está realizando uma promoção no facebook que se encerra um dia antes da festa. Para participar, CLIQUE AQUI

O Tribunal de Contas dos Municípios, nesta quarta-feira (22/11), decidiu pela rejeição das contas da prefeitura de Piripá, relativas ao exercício de 2016. Entre as principais irregularidades praticadas pela gestora está a ausência de recursos em caixa para pagamento de despesas com restos a pagar, o que caracteriza descumprimento do artigo 42 da Lei de Responsabilidade Fiscal, e o não pagamento de multas aplicadas pelo TCM. Diante das irregularidades, Sueli Bispo Gonçalves terá representação encaminhada ao Ministério Público da Bahia para que seja apurada a ocorrência ou não de crime contra as finanças públicas.

Os recursos deixados em caixa pela ex-prefeita não foram suficientes para o pagamentos dos restos a pagar, o que provocou um saldo negativo de R$2.097.847,26 nas contas públicas. A irregularidade foi só um dos motivos para a rejeição das contas e a denúncia ao MPBa. Além disso, a gestora não investiu o percentual mínimo de 60% dos recursos do Fundeb na remuneração dos profissionais do magistério – aplicando apenas 56,11% -, e não promoveu o recolhimento de sete multas que lhes foram aplicadas, no total de R$94.520,00.

Cabe recurso da decisão.

A vida simples na zona rural da cidade de Piripá, não impediu que um jovem casal de namorados colocasse em prática a mais perversa e repugnante natureza criminosa contra o professor Antônio Rocha Pinto, de 55 anos.

Logo após o corpo de Antônio ser queimado no interior de um carro, na estrada entre Piripá e Condeúba, a Polícia Civil localizou e prendeu em flagrante Juarez Dias do Vale, de 18 anos, apontado como autor do crime. Juarez confessou e alegou que a morte não foi planejada, sendo resultado de uma discussão com a vítima, seu ex-companheiro.

Mas, algumas peças não se encaixavam. Se eles não estavam namorando e Juarez estava em outro relacionamento, porque vítima e autor saíram juntos? Essa era uma das muitas dúvidas sobre a dinâmica do crime.

Nessa terça-feira, 07, o delegado Jõao Carlos, em Vitória da Conquista, ouviu a namorada de Juarez, a peça que faltava para fechar o quebra-cabeça. O Blitz teve acesso ao depoimento da jovem detalhando como ocorreu o crime.

Com aparência humilde, mas inemotiva, Hingridy Jardim Barbosa, de 19 anos, demonstrou o seu ímpeto macabro ao revelar ter participado do assassinato ao lado de Juarez.

De acordo com a jovem, seu namorado a contou que morava com o professor, com quem mantinha um relacionamento homoafetivo. Ela terminou o relacionamento com Juarez, mas reatou dias depois, após o caso homoafetivo ser rompido por completo. Todavia, existia uma pendência; o professor tomou a moto que tinha dado a Juarez, o qual alimentava raiva por isso, afirmou a jovem.

De ambos os envolvidos tiveram ameaças, mas o pior ainda estava por vir.

Segundo depoimento de Hingridy, seu namorado a convidou matar Antônio. Ela aceitou prontamente, mesmo sem saber qual método utilizaria para matar o professor, declarou no depoimento.

No dia 30 de outubro, o casal deu início ao plano para assassinar Antônio. Juarez orientou Hingridy a entrar pelas portas dos fundos da casa do professor. Ela ficou escondida no porta malas do carro. Minutos depois, Juarez e a vítima entraram no veículo, passaram num posto de combustível para abastecer e começaram a beber, ainda dentro do carro. A todo tempo Juarez incentivando o professor a beber.

Algum tempo depois, o veículo parou em um terreno já afastado da cidade. Hingridy revelou que ouviu Juarez e Antônio discutirem por causa da moto. O professor afirmava que só devolveria o veículo caso eles reatassem o relacionamento. As vozes de Antônio e Juarez foram se distanciando, até que Hingridy não ouviu mais nada.

Se passaram 15 minutos aproximados, Juarez – completamente nú – retorna e retira Hingrid do porta malas. Juarez leva a jovem até o professor, que estava nú e amarrado, então ela percebeu que eles mantiveram relação sexual.

Juarez obrigou o professor a pedir perdão a garota e a dizer que o devolveria a motocicleta.

A partir desse momento, Hingridy participa efetivamente da execução. O casal leva o professor para o interior do veículo e segue até outro terreno – no percurso Antônio perguntava o que fariam com ele e Juarez o “mandou calar a boca”, disse Hingridy. O casal retira a vítima do carro e a ordena que deite de lado. Juarez pega uma barra de ferro e desfere dois golpes na cabeça do professor, que morreu no local, afirmou a jovem.

O casal pega o corpo de Antônio – Juarez pelos braços e Hingridy pelas penas – e coloca de volta no carro. Eles vão até a estrada que liga Piripá a Condeúba, estacionam o carro, desembarcaram e seguem a pé até a casa da vítima. Lá Juarez pega uma garrafa plástica cheia de gasolina e o casal retorna ao local onde deixou o carro.

Eles finalizam o “ritual” macabro, espalhando combustível no carro e ateando fogo.

O carro fica destruído e o corpo do professor é carbonizado. O casal segue para casa da mãe de Juarez, onde dorme. No dia seguinte, cada um vai para o seu trabalho.

O veículo e o corpo do professor foram encontrados na manhã do dia 02. Horas depois, Juarez é preso. Ele confessa o crime, mas não conta que tudo fez parte de um plano sórdido, conforme revelado pela sua companheira.

Juarez foi preso em flagrante e permanece preso no Conjunto Penal de Vitória da Conquista. Hingrid, mesmo confessando o crime, está fora do flagrante. Agora, o delegado deve pedir sua prisão preventiva. Enquanto isso, a humilde jovem da zona rural de Piripá permanece em liberdade.

*As informações são do site Blitz Conquista

Um veículo carbonizado com um corpo dentro foi encontrado na zona rural de Piripá, próximo ao lixão da cidade, no início da manhã dessa quinta-feira (02). O Departamento de Polícia Técnica foi acionado para realizar o levantamento cadavérico.

Segundo informações de populares, familiares reconheceram o corpo vítima do atentato, trata-se do piripaense conhecido por Thonny de Bida

Um suspeito pelo crime foi detido e levado para Vitória da Conquista para os esclarecimentos, que acabou por confessar o crime. A prisão em flagrante foi lavrada e o autor ficará à disposição da justiça para responder pelo ato criminoso.

O imbróglio com o delegado do município de Piripá, Dr. Florisvaldo, tem mais um capitulo registrado na história. Na manhã dessa quarta-feira (25), um grupo com dezenas de moradores se reuniram na Praça da Bandeira, seguiram em passeata pelas ruas da cidade finalizando BA-263, saída para Vitória da Conquista, onde fecharam a via e pediram a presença de um representante da corregedoria da Polícia Civíl.

O prefeito Flávio Oliveira Rocha e o presidente do Legislativo Piripaense Eurico Joao Francisco Silva Almeida integram as atividades. Na noite anterior diversos muros e portões de residências receberam a mensagem “Fora Delegado”.

O movimento realizado pela população pede a substituição do delegado, que segundo representantes, não está realizando um trabalho satisfatório à frende da Delegacia de Polícia local e tem contribuído para o aumento da onda de violência que assola a cidade. Uma viatura da CIPE-Sudoeste, e policiais da Civíl e da 80ª Companhia Independente de Polícia Militar acompanham as ações para garantir a ordem e negociar a liberação da via obstruída nos dois sentidos.

 

Um grave acidente na tarde dessa última terça-feira, 09, vitimou o presidente da cooperativa CODENA, no município de Piripá. O jovem Denilson Moura colidiu com um veículo modelo fiat strada branco, quando trafegava pela rodovia BA-263. A moto ficou totalmente destruída com o impacto e o carro teve parte da sua lateral danificada. O motorista do carro não sofreu ferimentos.

O serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) foi acionado e esteve no local prestando os primeiros socorros. Segundo informações do serviço de saúde do município, o estado de saúde do jovem é gravee ele encontra-se internado no Hospital Geral em Vitória da Conquista.

 

 

Um caminhão carregado de toras de madeira tombou na rodovia BA-263, próximo à comunidade de Comercinho, a cerca 12 km de Piripá, na tarde dessa quarta-feira (26). O trecho que ocorreu o acidente é sinuoso e comumente apresenta buracos em decorrência de chuvas associada à falta de manutenção.

O motorista ficou preso nas ferragens e foi necessário acionar o corpo de bombeiros para fazer o resgate. Apesar da gravidade do acidente, o condutor sofreu apenas ferimentos leves.

O juiz federal da 2ª Vara da Subseção Judiciária de Vitória da Conquista, Fábio Stief Marmund, em Ação Civil Pública por ato de improbidade movida pelo MPF contra Jeová Barbosa Gonçalves, Anfrísio Rocha e Sueli Gonçalves, condenou os réus pela aplicação irregular de recursos federais do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação para atendimento ao Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar. Os réus eram prefeito, tesoureiro e secretária de Assistência Social do Município, sendo os dois últimos, respectivamente, sobrinho e esposa do primeiro.

O ex-prefeito teve decretada a perda do valor de R$ 99.462,37 acrescido ilicitamente ao seu patrimônio e deverá ressarcir ao erário o valor de R$ 31.519,12 e pagar multa civil de R$ 298 mil.

Sueli Gonçalves perdeu R$ 99.462,37 acrescidos ilicitamente ao seu patrimônio; e deverá ressarcir ao erário R$ 31.519,12 e pagar multa civil de R$ 198 mil.

Anfrísio Rocha perdeu R$ 4 mil acrescidos ilicitamente ao seu patrimônio, deverá pagar multa civil no mesmo valor e ressarcir ao erário R$ 31.519,12. Todos os valores devem ser devidamente atualizados.

Os três foram condenados também à perda das funções públicas, suspensão dos direitos civis e proibição de contratar com o poder público por dez anos.

Os réus falsificaram processos de pagamento, desviaram e se apropriaram de recursos, realizaram pagamentos sem comprovação de despesas, dispensaram indevidamente licitação, entre vários outros atos ímprobos. O magistrado manteve liminar que deferiu a indisponibilidade de bens.

A Prefeitura Municipal de Piripá recebeu R$ 104.320,00 em 2005 e R$ 109.330,50 em 2006 repassados pelo Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar.

As fraudes eram realizadas com falsificação das assinaturas constantes nos processos de pagamento e recibos para justificar o desvio e apropriação do numerário, em relação aos recursos do PNATE, tendo diversos beneficiários dos supostos pagamentos negado não só o recebimento dos valores como também as assinaturas constantes dos respectivos recibos.

Diversos cheques vinculados a processos de pagamentos foram sacados e logo em seguida valores assemelhados foram depositados em contas dos réus e de empregada particular do ex-prefeito, que não mantinha qualquer vínculo com o Município, muito embora em sua conta tenha havido a movimentação de R$ 271.432,01 em menos de dois anos com depósito significativo de R$ 35.570,00 originários de contas municipais.