Login to your account

Username *
Password *
Remember Me
Segunda, 19 Fevereiro 2018
25°C

Condeúba

Predominantemente nublado Humidade: 68%
Vento: ENE6.44 km/h

Com as possibilidades de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva concorrer à Presidência da República ficando cada vez mais raras, o PSB intensificou as articulações para lançar um candidato único do campo que o partido identifica como “progressista”.

De acordo com a Coluna do Estadão, do jornal O Estado de S. Paulo, nas últimas semanas, o secretário-geral do partido, Renato Casagrande, conversou com Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede), Álvaro Dias (Podemos) e Manuela d’Avila (PCdoB). O dirigente socialista afirmou ter se animado com a boa recepção da proposta. O PT, que também defende a ideia, está fora dessas negociações. Para o PSB, será o candidato do grupo aquele que melhor estiver posicionado nas pesquisas entre maio e junho.

O prazo legal para registro do candidato é 15 de agosto. O PSB convidou o ex-ministro Joaquim Barbosa para disputar a eleição presidencial pelo partido. Se ele topar e a ideia de candidatura única vingar, terá que entrar na disputa.

Aesar do discurso oficial e do lançamento da pré-candidatura do ex-presidente Lula, caciques petistas já trabalham o nome do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad como "plano B" para a disputa pela Presidência da República, informa o repórter Nilson Klava, da GloboNews.

A estratégia é desenvolver o "projeto Haddad" discretamente, depois da condenação de Lula ter sido confirmada pela unanimidade pela 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

De forma reservada, integrantes do PT consideram praticamente nula a chance de o ex-presidente ser candidato. Isso porque, com a unanimidade da condenação, as possibilidades de Lula recorrer foram limitadas aos chamados embargos de declaração, que não permitem reverter a condenação no TRF-4.

O ex-presidente ainda pode, porém, recorrer ao STJ e ao STF, com um pedido de efeito suspensivo.

Diante do cenário de condenação, a estratégia de petistas é manter a candidatura de Lula até o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) impedir o ex-presidente de disputar o Planalto novamente, como preveem ministros da Corte.

Com isso, integrantes do partido esperam "radicalizar" o discurso, tendo Lula à frente da campanha, angariando o maior apoio possível.

A estratégia para tentar levar o ex-prefeito de São Paulo para o segundo turno da eleição já começa agora.

"O que vai acontecer com Haddad é a sutileza da aparição. Ele sempre estará ao lado de Lula no palanque. O ex-presidente já o colocou como coordenador do programa de governo dele e vem focando os seus discursos na educação justamente para começar a apresentar Haddad ao eleitor", diz um interlocutor petista.

Jaques Wagner
Outro nome que chegou a ser cogitado no partido foi o de Jaques Wagner. O ex-ministro da Casa Civil, atual secretário do governo da Bahia, deu sinais de que não vai arriscar a possibilidade de ficar sem mandato, devendo, assim, se candidatar ao Legislativo.

"O cercado do Jaques Wagner é a Bahia. Ele quer reeleger Rui Costa governador e garantir a sua cadeira no Senado", afirmou um aliado.

Apesar de toda a estratégia já articulada nos bastidores, oficialmente o PT nega qualquer nome alternativo a Lula. Teme esvaziar o nome do presidente antes do tempo.

 

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está proibido de sair do país. A decisão foi expedida nesta quinta-feira (25) pelo juiz Ricardo Leite, da Justiça Federal no DF, que determinou também a apreensão do passaporte do petista. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, a ordem foi passada no início da noite desta quinta ao diretor-geral da PF, Fernando Segovia.

O comunicado foi repassado por ele ao ministro da Justiça, Torquato Jardim. Caso a medida não seja derrubada por um eventual recurso da defesa, Lula ficará impedido de viajar, na madrugada desta sexta (26), para a Etiópia. A PF quer avisar aos advogados de Lula da proibição o mais rápido possível.

O objetivo, ainda de acordo com a publicação, é impedir que ele seja barrado no setor de imigração do aeroporto, evitando um constrangimento.  A decisão tomada pelo juiz atendeu um pedido do Ministério Público Federal no DF como parte de um inquérito que apura supostos crimes na aquisição, pelo governo federal, de aviões caças da Suécia.

O deputado Luciano Ribeiro tem participado de diversos compromissos do mandato e em eventos na região em que representa durante o mês de janeiro. “Nossa região é muito rica em cultura e manifestações populares, além de um povo alegre por natureza. Marcamos presença para prestigiar as iniciativas”, salientou o deputado.


Lavagem da Esquina do Padre, em Caetité


Café da manhã com o prefeito de Caculé Beto Maradona, o vice-prefeito Zé Cruz e a bancada de vereadores.

 

Com a decisão uninâme dos três desembargadores da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) de manter a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso triplex, no Guarujá (SP), a defesa de Lula pode recorrer e apresentar embargos de declaração, um recurso onde a defesa pede esclarecimentos sobre algum ponto da decisão. Esses embargos são apresentados ao relator do caso, João Pedro Gebran Neto, e julgados pelos três integrantes da 8ª Turma.

Os embargos devem ser apresentados até dois após a publicação da sentença, segundo a assessoria do tribunal. O TRF4 vai divulgar a íntegra dos votos e o acórdão da sessão de julgamento da apelação criminal do ex-presidente na próxima semana. Na sessão, os desembargadores também aumentaram a pena de Lula para 12 anos e um mês de prisão, em regime fechado, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

O cumprimento da pena de Lula só poderá ser feito após esgostados todos os recursos em segunda instância. O tribunal informou que os desembargadores Leandro Paulsen e Victor Laus sairão de férias. Paulsen ficará 30 dias fora, a partir de 29 de janeiro. Pelo mesmo prazo, Victor Laus também estará de férias a partir de 21 de fevereiro. Nas férias dos titulares, juízes federais são convocados. Neste caso, serão chamados para a 8º Turma Nivaldo Brunoni, para substituir Laus, e Antônio Bochenek, no lugar de Paulsen. Mesmo com as férias dos titulares, os prazos processuais correm normalmente, conforme o tribunal.

A defesa de Lula deve conceder ainda hoje entrevista, em Porto Alegre, sobre o resultado do julgamento do recurso.

Em unanimidade com o revisor (leia aqui) e o relator (aqui), o desembargador Victor Laus votou de forma favorável à manutenção da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Os três concordaram em aumentar a pena do ex-presidente para 12 anos e um mês. Para Laus, as provas apresentadas pelo Ministério Público Federal resistiram "e se resistiram, refletem a sua substância".

De acordo com ele, julgar um presidente é um processo extremamente complexo. "A partir do momento em que o chefe da alta administração pública federal, o primeiro mandatário, se vê envolvido com fatos delituosos, isso significativamente assume uma complexidade", declarou. Às 17h45 do horário de Brasília, a sessão do TRF-4 foi encerrada.

 

O senador Fernando Collor de Mello (PTC-AL) anunciou nesta sexta-feira (19) que pretende se candidatar novamente à Presidência da República nas eleições gerais deste ano.

"Digo a vocês que esse é um dos momentos mais importantes da minha vida pessoal. Hoje, a minha decisão está tomada: sou, sim, pré-candidato à Presidência da República", afirmou o senador alagoano, que participou de um evento na cidade de Arapiraca com a prefeita Célia Rocha (PTB).

Apelidado de 'caçador de marajás', Collor venceu em 1989 a primeira eleição direta após a redemocratização do País, derrotando vários candidatos, entre eles Leonel Brizola (PDT), Ulysses Guimarães (PMDB) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com quem disputou o segundo turno. Ele comandou o País entre 1990 e 1992, quando sofreu impeachment, por suspeita de corrupção.

*Bahia Notícias

O governador Rui Costa (PT) terá que mexer bastante em seu tabuleiro para manter o jogo em andamento em ano eleitoral. Até abril, oito secretários deixarão suas respectivas pastas para concorrem aos cargos eletivos de deputado federal, estadual, senador e vice-governador neste ano. Soma-se ainda a Desenbahia, a instituição financeira do Estado.

A primeira mudança ocorre na Secretaria de Desenvolvimento Econômico que tem Jaques Wagner (PT) no comando. Wagner postula uma vaga ao Senado. Uma celeuma envolve o vice-governador João Leão (PP). O partido dele estaria negociando um desembarque da base aliada do governador e podendo assumir uma pasta a nível nacional. De um modo ou de outro, Leão deixará a Secretaria do Planejamento. Caso continue na base de Rui, o pepista vai escolher entre se manter na vice-governadoria ou postular o Senado.

Criticado durante todo o momento em que esteve à frente da secretaria de Relações Institucionais, Josias Gomes (PT) disputará a Câmara Federal novamente.

Ainda sem partido, Walter Pinheiro (PT) deve postular como deputado federal, assim como o presidente da Desenbahia, Otto Alencar Filho.

Tentarão cadeiras na Assembleia Legislativa da Bahia, Vitor Bonfim (PDT), secretário de Agricultura; a secretária de Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre), Olívia Santana (PCdoB); o secretário de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, Carlos Martins (PT). Apesar de ser “proibido” pelo governador de disputar a AL-BA, por desbancar outros dois deputados, Jerônimo Rodrigues, de Desenvolvimento Rural, tem chances ao pleito.

Todas as vagas estarão abertas para uma rearrumação dos aliados, mesmo que pelos próximos 7 meses.

*Bocão News